Caros novos amigos leitores,

Meu nome é Ligia Diane de Oliveira Braga Rodrigues.

É um nome grande, mais dizem que as pessoas que fazem histórias tem o nome grande assim né. Confortante, rs.
Também, isso foi contribuição do meu marido, que por mais que somos um jovem casal atual, ele fez questão de manter a tradição onde a mulher coloca o nome do marido. E assim segue uma das minhas origens. Meu Oliveira é da Sra. Celia, minha mãe, que é uma ótima cozinheira e já trabalhou com gastronomia a muito tempo na vida.
E o meu Braga é do Sr. Cicero meu pai que é quem investiu no meu 1º curso de Técnicas Básicas em gastronomia, e me apoia em tudo o que escolho para minha vida. E o meu degustador é o Sr. meu marido, Lenon. Que por sinal, me dá muita força para que eu amplie meus conhecimentos na cozinha e abra meu restaurante num futuro breve.
Fiz esse blog inspirada num filme que chama "Julie e Julia”. Onde me identifiquei muito. Pois a personagem principal é uma funcionária de uma empresa, onde ela atende clientes via telefone, e tem um trabalho voltando para o telemarketing e sofre com alguns clientes que não são muito agradáveis. O que é "super eu". Ou seja, bem o que eu vivo. Um trabalho voltado para o telemarketing que porém dá para levar quando se é a única oportunidade de ser assalariado que temos em mãos. Faz tempo que não melhora, e a tendência é piorar cada vez mais. Isso torna meu desejo de fazer o que eu gosto cada vez mais necessário para mim. E ela, é casada e sem filhos, como eu. E o apreciador de sua comida é seu marido. Ela vive corrida, sai cedo de casa, chega tarde pois seu meio de condução é o metro. Tem pouco tempo para pensar em bobeira, mas o que ela faz nos seus únicos momentos livres é se inventar na cozinha. E quem faz o filme é uma atriz que eu amo, a Amy Adams. 
Ela se dá um prazo de 365, um ano, para realizar 524 receitas de sua musa inspiradora Julia Child's (Meryl Streep, que também amo). 
Porém na realidade, na minha, no caso. É uma tarefa bem difícil. 
Estamos passando por uma crise aqui no Brasil, onde tudo é caro. E sair para fazer compras de alimentos, já se torna algo difícil avaliando o cardápio de uma boa gastronomia. Só que cada um julga o que é essencial na vida, o meu é sentir o sabor das coisas, comer bem. Sentir o sublime do gosto da arte de sentir no paladar o que corre para o sangue e afeta toda nossa estrutura. Como corpo, mente, estilo de vida e satisfação de viver. E hoje eu começarei a escrever nesse blog todas as experiências que eu tiver, saboreando todos os sabores por onde eu passar. Espero que alguém leia... 😉